Por que as metodologias ativas de aprendizagem podem transformar sua carreira

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on email
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest

Desde sempre, nosso ensino foi, via de regra, bastante passivo. Pelo menos no que se refere ao método utilizado. Sem nenhuma mudança ocorrendo na forma, tínhamos sempre o mesmo resultado. Acabamos presos em um círculo vicioso onde têm lugar aulas expositivas, que não estimulam a interação, e como consequência alunos desengajados e entediados. Agora, enfim, esse ciclo começou a mudar, e isso já se reflete também na educação corporativa, com potencial para desenvolver profissionais de destaque no mercado.

As metodologias ativas de aprendizagem trazem mudanças substanciais ao ensino. Elas são bastante diversas em suas aplicações, mas invariavelmente seguem a premissa de que o aluno é protagonista em seu próprio aprendizado. A ideia central é ensinar oferecendo novas formas de reter conteúdo. Para isso, são utilizadas técnicas de ensino que não se limitam ao espaço da sala de aula e instigam a participação e a autonomia.

Como acontece o aprendizado?

A aprendizagem é, sim, relativa. Cada um de nós aprende de uma forma e as metodologias ativas consideram essa relatividade. Ainda assim, pesquisas indicam quais os modelos mais efetivos de internalizar informações. Um deles, desenvolvido pelo psiquiatra William Glasser, estipulou percentagens de efetividade para cada forma de aprendizagem:

Essa pirâmide por si só já mostra que o ensino precisa ser ativo e que o aluno, mais do que participativo, precisa ser protagonista. Ele sai do lugar de escuta passiva e torna-se responsável pela apreensão de sua própria realidade e das informações contidas nela. O objetivo aqui é “aprender fazendo”, em vez de aprender ouvindo.

No universo corporativo

Centros de ensino corporativo mais avançados em seus métodos já perceberam a importância de implantar metodologias ativas de aprendizagem e a forma como elas podem transformar carreiras.


Neste cenário, os profissionais conquistam uma percepção diferenciada do conteúdo oferecido, participam ativamente do processo e aproveitam muito mais os resultados no seu desenvolvimento profissional. As empresas que investem neles, também.


Com a utilização dessas novas metodologias, o conteúdo acaba fazendo mais sentido e se mostrando parte do contexto. O profissional assimila melhor as informações justamente porque as aulas são mais interessantes e utilizam ferramentas neurológicas para proporcionar uma aprendizagem mais profunda e efetiva.


Na educação corporativa, o que buscamos é ensinar novas habilidades e alterar comportamentos e atitudes. Para evitar que os profissionais voltem às empresas sem resultados de impacto, esse ensino precisa mostrar que as mudanças não acontecem exclusivamente na esfera profissional de sua vida, não é algo episódico, contextual, mas interior.


E assim como na educação tradicional, isso exige ferramentas pedagógicas efetivas que, hoje sabemos, envolvem as metodologias ativas de aprendizagem. Estamos falando de técnicas como:


  • Sala de aula invertida: é uma das metodologias ativas mais clássicas e conhecidas. Ao utilizá-la, invertemos a lógica da sala de aula tradicional, em que a primeira vez que os estudantes obtêm contato com o conteúdo é na sala de aula. Aqui, o primeiro passo é estudar a matéria em casa, por meio de materiais fornecidos pelos professores ou facilitadores. O encontro presencial serve para fazer o que antes era feito em casa: exercitar e tirar dúvidas;
  • Audiovisual: recursos audiovisuais como videoaulas, palestras e lives possuem muita relevância no novo ensino. O aprendizado é mais efetivo através da observação e escuta do que pela leitura. E não precisa ficar apenas na oferta: os alunos também podem produzir conteúdo audiovisual como forma de aprendizagem;
  • Aprendizagem Baseada em Problemas: é uma metodologia ativa também bastante reconhecida. Sua principal contribuição é a interdisciplinaridade e, para o ensino corporativo, é muito benéfica. Via de regra, os alunos entram em contato com os problemas em casa e, depois, vão para a sala discutir soluções.

Os exemplos de metodologias ativas de aprendizagem são muitos e vão até onde a criatividade permitir. Fato é que nunca o desenvolvimento profissional foi tão relevante quanto agora – um momento em que as mudanças no mercado são cada vez mais rápidas e intensas – e, agora, ele tem um aliado.


O CENEX já utiliza esse tipo de metodologias em seus programas. Como trabalhamos com o objetivo constante de desenvolver profissionais capazes de promover a transformação, estamos sempre alinhados aos modelos de aprendizagem mais eficazes e também à neurociência, que nos dá o norte. Mas isso é assunto para outra hora 😉


Share on whatsapp
Share on facebook
Share on email
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest

Deixe aqui seu comentário.

Preparação para a Negociação com Walberto Fernandes
Paradigmas da Negociação com Walberto Fernandes
Inteligência Emocional com Marcelo do Carmo
Líder Ambidestro com Daniel Ely
Personal Branding com Arthur Bender
Metodologias ativas de aprendizagem
Segurança Psicológica, o que é? Como se encontra?
by CENEX Centro de Excelência Emp

No Podcast desta quinzena, ouviremos uma entrevista da facilitador do CENEX e membro da Rispetto Consulting, Viviane Vicente. Neste podcast Viviane aborda sobre o que é Segurança Psicológica nos dias de hoje e como ela se dá nos ambientes de trabalho. Esperamos que vocês aproveitem os insights e escrevam para nós o que acharam. Além disso, aceitamos sugestões de temas para gravarmos. Mande seu e-mail para [email protected]

Segurança Psicológica, o que é? Como se encontra?
Cultura Organizacional, o que ela envolve? Como o público reage a ela?
Certo ou Errado? Como decidir frente a dilemas
Inteligência Emocional com Alessandra Gonzaga
Liderança no Varejo – com Alexandre Peixoto e Paulo Amorim
Pensamento Elástico – Parte 2 – Desenvolvimento
Pensamento Elástico – Parte 1 – Contexto
Boas Vindas ao SkillX in PodCast